Arquivos Brasileiros de Cardiologia

Português | Inglês





Pressione Enter para iniciar a Busca.





Volume 110, Nº 5, Maio 2018

   

DOI: http://www.dx.doi.org/10.5935/abc.20180071

ARTIGO ORIGINAL

A Anatomia da Veia Pulmonar está Associada à Criocinética durante a Ablação por Criobalão da Fibrilação Atrial

Xiongbiao Chen

Pihua Fang

Zheng Liu

Jia He

Min Tang

Jun Liu

Bin Lu

Shu Zhang



Figura 1 – Categoria de formas de óstio da VP e padrões de drenagem da VP. A) Óstios da VP representados semi-automaticamente usando o software CartoMerge. Quatro formas de óstio da VP; B) Tipo I (redonda); C) Tipo II (oval); D) Tipo III (triangular); e E) Tipo IV (estreito). Cinco padrões de drenagem da VP; F) Quatro VPs drenam para AE em um padrão típico; G). As VPs inferiores e superiores esquerdas drenam no AE ambas em um padrão de tronco comum; H) As VPs superiores e inferiores esquerdas drenam no AE ambas em um padrão de antro comum; I) A VP inferior direita drena no AE em um padrão de ramo ostial; J) As Pvs direita superior e inferior drenam no AE com veia supranumerária (veia do meio).





Resumo

Fundamentos: A influência da anatomia da veia pulmonar (VP) na criocinética durante a ablação por criobalão (CB) não está clara.

Objetivo: Investigar a relação entre a anatomia da VP e a criocinética durante a ablação com CB para fibrilação atrial (FA).

Métodos: sessenta pacientes consecutivos foram matriculados. Foram avaliados em imagens de tomografia computadorizada multidetectora (TCMD) pré-procedimento a anatomia da VP, incluindo diâmetros dos óstios (longo, curto e corrigido), relação entre diâmetros curtos e longos, forma do óstio (redondo, oval, triangular e estreito) e padrão de drenagem (típico, com tronco comum, antro comum, ramo ostial e VP supranumerária). Os parâmetros criocinéticos [tempo de congelamento de balão de 0 a -30°C (TCB), temperatura do nadir do balão (TNB) e tempo de aquecimento do balão de -30 a + 15°C (TAB)] foram registrados durante o procedimento. Todos os valores de p são bicaudais, com valores de p < 0,05 considerados estatisticamente significativos.

Resultados: o ciclo de congelamento foi realizado 606 vezes. Correlação negativa moderada foi documentada entre o TNB e o diâmetro VP corrigido (r = - 0,51, p < 0,001) ao usar CBs de 23 mm e correlação negativa leve (r = - 0,32, p = 0,001) foi encontrada ao usar 28- mm CBs. A análise de regressão logística multivariada revelou que o diâmetro corrigido do óstio da VP (OR, 1,4; p = 0,004) previu um TNB < -51°C ao usar CB de 23 mm, enquanto a forma oval do óstio VP (OR, 0,3; p = 0,033) e as localizações da VP (VP inferior: OR, 0,04; p = 0,005; VP superior direito: OR, 4,3; p = 0,025) previram TNB < -51°C ao usar CBs de 28 mm.

Conclusões: A TCMD pode fornecer uma avaliação precisa da anatomia da VP antes da ablação por CB. A anatomia da VP está associada à criocinética durante a ablação. (Arq Bras Cardiol. 2018; 110(5):440-448)

Palavras-chave: Veias Pulmonares / anatomia & histologia; Fibrilação Atrial; Ablação por Cateter; Tomografia Computadorizada Multidetectores; Análise Custo-Benefício.