Arquivos Brasileiros de Cardiologia

Português | Inglês





Pressione Enter para iniciar a Busca.





Volume 111, Nº 1, Mes 2018

   

DOI: http://www.dx.doi.org/10.5935/abc.20180094

ARTIGO ORIGINAL

Coorte de Pacientes Encaminhados para Investigação de Síndrome de Brugada em um Serviço Terciário de Eletrofisiologia – Registro de 19 Anos

Stefan Warpechowski Neto

Tiago Luiz Luz Leiria

Laura Lessa Gaudie Ley

Antonio Lessa Gaudie Ley

Luiza Zwan Dutra

Leonardo Martins Pires

Marcelo Lapa Kruse

Gustavo Glotz de Lima



Figura 1 – Curva de sobrevida livre de eventos entre pacientes com cardiodesfibrilador implantável (CDI).





Resumo

Fundamento: Síndrome de Brugada (SBr) é uma condição arrítmica definida por anormalidades do segmento ST-T em derivações V1-V3 associada a risco elevado de arritmias ventriculares e morte súbita. Dados locais quanto às características clínicas dos pacientes com padrão eletrocardiográfico (ECG) típico avaliados por estudo eletrofisiológico (EEF) são escassos.

Objetivo: Avaliar pacientes com padrão ECG sugestivo de SBr encaminhados para EEF em um centro especializado.

Métodos: Estudo de coorte de casos encaminhados para EEF por padrão ECG compatível com SBr, entre janeiro de 1998 e março de 2017.

Resultados: Dos 5506 procedimentos, 35 (0,64%) foram para investigação de SBr. Vinte e cinco (71,42%) eram homens. Idade média 43,89 ± 13,1 anos. Apresentação ECG foi tipo I em 22 casos (62,85%), tipo II em 12 (34,30%) e tipo III em 1 (2,85%). Vinte e três (65,7%) eram assintomáticos, 6 (17,14%) apresentavam palpitações, 5 (14,3%) síncope, 3 (8,6%) história familiar de morte súbita. Estudo eletrofisiológico induziu taquiarritmias ventriculares em 16 casos (45,7%), sendo o período refratário ventricular médio de 228 ± 36 ms. Utilizou-se ajmalina/procainamida em 11 casos (31,4%), sendo o padrão ECG transformado em tipo I em 7 (63,6%). Dezesseis casos (45,7%) receberam cardiodes fibrilador (CDI). Em seguimento médio de 5 anos, 1 dos 16 pacientes (6,25%) com CDI teve terapia apropriada para fibrilação ventricular. Nenhuma morte foi registrada. Outras arritmias ocorreram em 4 (11,4%) casos.

Conclusões: Homens são maioria, sendo o padrão ECG tipo I a principal indicação de EEF. Droga classe IA possui alta taxa de conversão do padrão ECG. A taxa de eventos no CDI foi de 6%. (Arq Bras Cardiol. 2018; 111(1):13-18)

Palavras-chave: Síndrome de Brugada; Taquicardia Ventricular; Morte Súbita.