Arquivos Brasileiros de Cardiologia

Português | Inglês





Pressione Enter para iniciar a Busca.





Volume 111, Nº 1, Julho 2018

   

DOI: http://www.dx.doi.org/10.5935/abc.20180109

ARTIGO ORIGINAL

Adropina e Irisina em Pacientes com Caquexia Cardíaca

Ali Kemal Kalkan

Huseyin Altug Cakmak

Mehmet Erturk

Kübra Erol Kalkan

Fatih Uzun

Omer Tasbulak

Vesile Ornek Diker

Suleyman Aydin

Ahmet Celik







Figura 1 – Diferença de peso corporal entre os grupos caquético e não caquético.





Resumo

Fundamento: A caquexia cardíaca é um importante preditor de redução de sobrevida em pacientes com insuficiência cardíaca com fração de ejeção reduzida (ICFER). O objetivo deste estudo foi avaliar os níveis de adropina e irisina em pacientes com ICFER caquéticos e não caquéticos, assim como a relação entre os níveis dessas proteínas e os parâmetros clínicos e laboratoriais nesses pacientes.

Objetivos: Os objetivos do presente estudo foram avaliar os níveis de adropina e irisina em indivíduos caquéticos e não caquéticos e as relações entre os níveis dessas proteínas e os parâmetros clínicos e laboratoriais em pacientes com ICFEN.

Métodos: Os prontuários de pacientes atendidos no ambulatório de cardiologia para ICFER foram triados. Aqueles com ICFER caquéticos foram identificados e constituíram o grupo de estudo (n = 44; idade média, 65,4 ± 11,2 anos; 61,4% de homens). Aqueles com ICFER e sem perda de peso foram arrolados como grupo controle (n = 42; idade média, 61,0 ± 16,5 anos; 64,3% de homens). Os níveis séricos de adropina e irisina de todos os pacientes foram medidos. Considerou-se significativo um p-valor < 0,05.

Resultados: Os níveis séricos de adropina e irisina foram significativamente mais altos nos pacientes caquéticos do que nos controles [adropina (ng/l): 286,1 (231,3-404,0) vs 213,7 (203,1-251,3); p < 0,001; irisina (μg/ml): 2,6 (2,2-4,4) vs 2,1 (1,8-2,4); p = 0,001]. Os níveis séricos de adropina e irisina correlacionaram-se positivamente com os níveis de peptídeo natriurético cerebral (BNP) e a classe funcional da New York Heart Association (NYHA), e negativamente com o índice de massa corporal (IMC) e os níveis séricos de albumina (todos os p-valores: < 0,001). Na análise multivariada, a adropina foi o único preditor independente de caquexia nos pacientes com ICFER (OR: 1,021; IC 95%: 1,004−1,038; p = 0,017).

Conclusões: Os resultados sugerem que a adropina e a irisina possam ser novos marcadores de caquexia cardíaca em pacientes com ICFER. Adropina e irisina estão relacionadas com a gravidade da insuficiência cardíaca. (Arq Bras Cardiol. 2018; 111(1):39-47)

Palavras-chave: Caquexia / complicações, Insuficiência Cardíaca / fisiopatologia, Hipertrofia Ventricular Esquerda, Função Ventricular Esquerda, Adropina, Peptídeos, Hormônios.